Diva no É a Vida Alvim

Numa bela tarde destas recebo uma mensagem do Alvim através do Facebook, a perguntar se gostaria de ir ao seu programa. Não pensei muito e, como sempre fui fã deste desgrenhado imprevisível, resolvi aceitar mesmo sabendo que não lido muito bem com situações deste género.

Assim que a data se começou a aproximar, e os suores frios a corromperem a minha pele, falei com uma amiga, também ela uma fantástica Diva, que me disse que devia comprar uns comprimidinhos naturais para me libertar dos sinais exteriores de nervosismo. Sugeriu-me Inderal. Ao que parece neutraliza os nervos sem nos deixar burras. Diva´s Material, frisou.

E, pronto, lá fui eu à farmácia: 

– Queria por favor Inderal, uns comprimidos naturais para o stress. – Disse eu muito convicta à mal disposta da farmácia.

– Minha querida, Inderal é tudo menos natural – e riu-se. Hipócrita, toda a gente sabe que as farmacêuticas são umas drogadas.

Ainda tentei dissuadia-la mas a pequena era mesmo manhosa e, sem receita, nada feito. Saí de lá com uns Valdisperts para acalmar os ânimos e já  foi uma sorte.

No dia anterior ao purgatório, e já com os calmantes no bolso, estava na hora de resolver o look para ir à TV.

Já tinha uma ideia de como iria vestida e, por isso, não estava muito preocupada. Isto até realizar que no programa iria estar sentada o tempo todo. Para terem noção, o que tinha em mente eram umas calças que só conseguia apertar deitada, quanto mais estar trinta minutos sentada, a respirar e a falar ao mesmo tempo. Impossível.

Fuck, como é que só tinha percebido isto agora?

Este look Diva vai à TV só funcionava na vertical…

Lá  tive eu que ir ao baú, como de costume, resgatar um vestidinho preto com o qual nunca me comprometo. Situação roupa: Check.

Ao final do dia e três Valdisperts depois, visto que resolvi experimentar logo para me certificar se a valeriana batia alguma coisa, dormi que nem um anjo. No dia seguinte, acordei preparada para o momento. Estava confiante. Só me faltavam as caneleiras para ir à audição do Fame.

Cheguei ao Canal Q cedíssimo, estilo saloia, e até tempo tive de entrar no restaurante do lado para beber um descafeinado. Já mais perto da hora, apaguei o 3º cigarro seguido e entrei porta dentro, pronta para vencer.

Uma rapariga simpática conduziu-me à maquilhagem onde, claramente, perceberam que já tinha dado um “toquezinho” nas fuças. Estava com medo que me proporcionassem só um arzinho saudável e eu, numa situação destas sem eyeliner, jamais me sentiria gente. Peço desculpa.

Já de poros disfarçados, vejo Pedro Miguel Ramos, meu companheiro de programa, sentado no sofá do estúdio. Além de o conhecer da televisão, naturalmente, tinha memória de um passeio caricato que fiz até à Covilhã, já há mais de 10 anos, onde me cruzei com ele.

Uma amiga querida, nativa da região das cerejas e das noitadas estudantis, fazia uns trocos na altura como barmade no Amo-te Covilhã. Acontece que, numa bela noite em que lá fui para os copos, com o pessoal da faculdade, lá estava o Pedro. O Dono do estaminé. Aquela figura da qual temos que refundir as vodkas que surgem milagrosamente “por debaixo” do balcão. A verdade é que me recordo que ele nos topou…

Pois é Pedro, ainda bem que não te lembras. Mas por favor, compreende, era nova e pobre. Agora já não sou cravas. Juro.

Pouco antes de iniciarmos a gravação do programa, conheci o Alvim. Alta energia e boa disposição. Era exatamente o que esperava dele. Ligeiramente mais penteado que o normal, no entanto.

Microfones já colocados, percebo que o sofá do cenário estava para mim e Pedro Miguel Ramos, como uma cadeira da Chico está para Fernando Mendes. Apesar de estar nervosa, e assim ligeiramente para o apertado, acabei por me sentir cool e a conversa fluiu. Ambos foram bastante simpáticos, o que também ajudou.

O porreiro do Alvim ofereceu-me o Gin Amo-te, que supostamente Pedro Miguel Ramos lhe trouxera como presente.

Dez anos depois, portanto, Diva torna a cravar o homem…

Como precisava espairecer, marchou quase todo nessa tarde.

Era simplesmente maravilhoso, recomendo.

Love,

D.

Anúncios

4 Comments

  1. As mulheres pequenas?? Bem… as mulheres grandes!!!
    Ok, o exterior é importante, mas o que interessa mais mesmo é o seu interior! E assim perfeita (interiormente) só estive perto de uma até hoje (só mesmo perto, nem o nome dela sei)… este país anda mesmo mau de mulheres a sério! As mulheres andam a retransmitir a força da luz mesmo mal, ou não retransmitem de todo, e nós homens é que sofremos! Só querem ser bonitas de aparência exteriormente, mas depois andam de calças ou de mini-saias… por tanto ou se querem parecer com uns homens ou com umas mulheres oferecidas que andam com qualquer um. Mas pior que isso só mesmo o que disse antes… não retransmitirem a força da Luz através delas.
    Mulheres o homem certo para vós é suposto ter como primeiros pensamentos “protege-la” e quere-la perto dele para poder beneficiar da energia positiva da sua presença que lhe dá as forças para o trabalho do dia a dia e a manter a saudade da Luz e querer ser sempre melhor dia após dia… se vocês mulheres falham, tudo tende a falhar!

    Gostar

    Responder

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s