O Roterdão faz anos Domingo.

Este Domingo dia 18, o meu querido Roterdão faz 1 ano que se reergueu, mais bonito e simpático. É por isso que queria deixar aqui razões de sobra para passarem por lá:

. É o único sítio no Cais do Sodré onde ainda têm a consideração de disponibilizar amendoins, pipocas ou batatas fritas no balcão. Eu tenho os meus mínimos e sim, preciso de um salgadinho para empurrar com a Imperial. Obrigada por perceberem isso.

. O bar mantém muita coisa originária dos anos 80, como os bancos à marinheiro repletos de histórias malandras e a fachada tão mítica da Rua Cor de Rosa. Já na pista, contamos com um espelho gigante que nos permite fazer coreografias absolutamente sincronizadas. Já lá orientei umas danças em grupo melhores que muitas aulas de Zumba. Depois de uns copos, também é sempre bom termos acessível o nosso reflexo para sabermos se o suor ainda nos mantém decentes, de cabelinho composto e sem o eyeliner na testa. Acontece-me algumas vezes e, como tal, já não papo mais do que 1h sem verificação facial.

. No Roterdão encho a barriga com os meus hits favoritos. Ao contrário da maior parte dos bares das redondezas, ali 80´s não significa Bryan Adams e Samatha Fox. Vamos mais longe e com mais classe. Acreditem em mim, cheguei a invadir a cabine do Oslo para ver, com os meus próprios olhos, o que habitava naqueles arquivos. O melhor que lá encontrei foi o primeiro álbum das Spice Girls. Não tive outra opção se não pedir o 2 become 1. Triste mas verídico.

. O porteiro é uma espécie de Richard Gere mas careca. Também ligeiramente mais baixo. Vá, talvez não seja assim muito parecido. Mas tem os olhos dele. Nos dias que correm já não é mau. Tenham paciência.

. Mesmo quando está cheio, temos espaço de sobra para respirar. São dois pisos à nossa disposição onde passam sonoridades entre o rock, pop, funk e soul. Ao contrário do Jamaica onde cheguei a aterrar no colo de um senhor que estava de cadeira de rodas. Como não se cansavam de me empurrar, queimar, seduzir e maltratar, não tive solução se não cair no colo do único gajo que, pelo menos, estava sentado. Menos mal.

. A querida Ana, gerente, sempre que lá vou oferece-me uma Tequila Gold. Até já sabe que gosto de acompanhar com laranja mas que dispenso a canela.

É só por isso que escrevo este texto…

Vá, não é nada.

Eu vou lá estar a “dar tudo” porque é um dos meus spots favoritos.

Bora.

Love,

D

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s