Diva cinéfila. Ou não.

Apesar de ter uns quantos amigos que são verdadeiros cinéfilos, eu não sou muito dada à teoria do Cinema. Gosto de uns filmes e não gosto de outros. Basicamente é isto.

Contudo, tenho tido alguns convites para entrar no mundo do cinema de autor, através de encontros que as pessoas do meio organizam, para assistir a películas de culto restauradas que já passaram no Canal Hollywood vezes sem conta. Não julgo, porém, acho que 7 euros por um bilhete para ver um filme que andou a rodar os canais todos é quase o mesmo que apanhar um taxi quando não estamos atrasados para o trabalho, e nem sequer está a chover. Mas adiante. 

No Cinepop vi o Trainspotting, que adoro e, mais recentemente, o ET. Sim, qualquer dia estou a rezar para que o Sozinho em Casa seja a escolha do Monumental para o dia de Natal. Curiosamente, e apesar de ter adormecido durante breves minutos durante este sucesso de bilheteiras, algo que não me fez sentir muito mal dado que a pessoa com quem estava também resolveu fazer uma soneca singela no escurinho, posso dizer que foi muito gratificante. Para já, não me lembrava do momento em que o raio de extraterreste apanha uma bezana e encarna um mitra do Europa, depois, já não via a Drew Barrymore num filme decente há mais de duas décadas. Compensou.

Do Kusturica, também a cargo da missão “Vamos lá ser eruditos da sétima arte” vi o documentário do Maradona e o Via Láctea que conta com a participação da belíssima Mónica Bellucci. Posso dizer que, por muito drogado que o Maradona tenha sido, com esta longa metragem o Sérvio conseguiu dar-lhe vinte a zero. Suspeito que  tenha aviado pelo menos uma folha de ácidos de olhos fechados. Parabéns Mónica por ser quem és mas, amiga, ou começas a cuidar da tua carreira ou vais viver em Portugal para sempre. Não queres isso, acredita. 

Para terminar, ao Nimas fui ver uma obra de Polanski,  The Fearless Vampire Killers e gostei bastante. Apreciei o sentido de humor, a prestação do querido pedófilo enquanto ator, e, finalmente achei interessante o enquadramento que o Filipe Melo fez do filme.

Ah, e falando de enquadramentos, sabem que nestes círculos há sempre uma pequena contextualização feita pelo cinéfilo-mor da sala?  Estou a ficar tão habituada a uma introdução antes do filme que quando for ver o Saw XX em 5D vou pedir ao homem da bilheteira para dizer umas palavrinhas antes da coisa começar.

Acho que é o mínimo.

Love,

D.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s