Diva vai ao Bingo.

Andava há muito tempo para ir ao Bingo. Lembro-me de lá ter ido parar uma vez mas confesso que não guardei grande memória. Recordo-me apenas de ter bebido uns copos que me foram oferecendo, enquanto um amigo surtava completamente porque não ouvia os números que iam sendo ditados, dado ter perdido a conta às amêndoas cada vez mais amargas que bebera.

Agora, mais recentemente, fui viver a dita experiência em pleno. O meu querido parceiro no crime, e em muitas coisas mais, queria há muito iniciar-me nesta jogatana, tentando, para o efeito, aliciar-me com as sangrias  e os jantares grátis de incentivo ao jogo. Eu, fraca, acabei por ceder.

O escolhido foi o “Bingo Belenenses”. Situado estranhamente no Saldanha, e não em Belém, auto-intitula-se como a maior casa de jogo em Lisboa. E acredito que seja.

Assim que lá chegámos, fomos recebidos por um senhor muito bem parecido, de fato, que gentilmente se ofereceu para guardar os nossos casacos no bengaleiro. No hall de entrada, via-se uma máquina de tabaco, uma caixa multibanco e um sofá para aguardarmos enquanto não se podia entrar. Há regras nestas coisas mas também muitas mordomias para nos sacarem dinheiro com simpatia.

Assim que a nossa hora chegou, o dito mordomo abriu as portas e, no meu campo de visão, entraram dezenas de mesas redondas acompanhadas por uma nuvem de fumo, enquanto que, sobre um chão alcatifado, caminhavam elegantes empregados que empurravam velozmente carrinhos de bebidas coloridas em flutes. Calma, parece mais chique do que é. Uma coisa boa, nesta sala podemos fumar em cima dos velhotes moribundos que ninguém nos diz nada.

Mas bom, já sentados e a esfregar aos mãos, começaram a entregar-nos os cartões. Agarrei-me à caneta, e de repente, muito rapidamente, estava no meio de um jogo de Totobola em que a bola era eu. Inexperiente, não conseguia perceber mais de três números seguidos e a cada cruz que marcava, ficava tão nervosa que me esquecia de pelo menos dois. Foram três minutos de pânico sem ver luz neste enigma aleatório.

Conscientes de que tudo é uma questão de hábito, seguimos para mais uma ronda. Novo cartão em cima da mesa, caneta pública na boca, siga para Bingo. Mais que atenta nesta nova etapa, já a patrulhar a minha própria atuação como se estivesse no exame nacional de Matemática A, percebi que marcara o penúltimo número de uma linha. As minhas mãos trémulas começaram a transpirar, a minha boca a salivar, a minha pupila claramente a aumentar de excitação, quando o improvável, aconteceu:

Senhora Funcionária do Bingo ao microfone: 22. Dois e dois.

DIVA a dar tudo no jogo: “LINHA!” – Gritei bem alto, com o entusiasmo que só uma principiante consegue transmitir. E para lá de louca, olhei para o funcionário mais próximo de mim, na esperança que me correspondesse com felicitações. Mas não.

Empregado Elegante, abanando a mão: “Já foi menina! Só se faz linha uma vez!”- Em modo sussurro para não me humilhar mais do que eu própria havia feito.

Desiludida mas persistente, continuei sem pudor. Mas, antes disso, tirei três segundos de folga para olhar para o meu parceiro. Ligeiramente envergonhado pela minha precipitação, estava verde de ansiedade, sem conseguir focar-me nos olhos, enquanto organizava as moedas para a próxima dose. Ele que é um papa cigarros, dava apenas breves passas no seu Marlboro para não afetar a sua prestação.

Já novamente imersos naquele caos sonoro de números, havia sempre um cabrão que gritava “LINHA” antes de nós, e outro, um esterco ainda pior, que gritava BINGO! Sentimentos dignos de um psicopata começaram a afetar a minha alma habitualmente amigável. Já transpirava inveja e ódio pela testa. Estas vozes vencedoras, que naquele momento personificavam a felicidade e o sucesso, faziam-me dar murros na mesa e pontapés discretos na cadeira do lado. Atitude sem grande fair play, assumo.

Os cartões continuavam a surgir pelas mãos destes empregados maléficos como se estivéssemos a caminhar suavemente para o Inferno das probabilidades numéricas. Já em psicose, e a sofrer por antecipação, começámos a partilhar a sorte no mesmo cartão, como quem divide uma batata em tempos de fome e guerra, tudo pelo receio de não ouvirmos devidamente os números.

“Quatro olhos veem melhor do que dois” – dizia-me o meu mais que tudo, com cara de quem está a passar por uma ressaca de metadona. Eu acenava com a cabeça, numa espécie de sonambulismo induzido e riscava, riscava…

Foi preciso cerca de meia hora, e vinte euros, para realizarmos que o nosso estado de lucidez partia a cada bingo que os outros concretizavam. Estávamos tensos, cansados, mais pobres e, claramente, mais nervosos.

Não fomos feitos para esta neurose.

Partimos e dissemos um para o outro: “Nunca mais”.

Dois dias depois estávamos no Casino.

Love,

D

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s